Leiam, reflitam, sonhem, viajem e comentem... Os comentários são importantes para sabermos suas opiniões.

quinta-feira, 9 de agosto de 2012

SUMIRAM E LEVARAM MINHAS INSPIRAÇÕES




Sumiram dos meus dias e noites
Perderam-se noutras imensidões
Notadamente seguiram caminhos
Em busca de novas ambições

Sumiu e perdi abandonado
E hoje me falta sobremaneira
Da fome aos melhores desejos
De furtar o fruto da jujubeira

Sumiu a cegueira do brilho
Não há nada que me respalda
Ou me traga de volta o suspiro
Que poliu o tom verde esmeralda

Sumiram as algemas dos pulsos
Que me prendiam por cautela
Nas grades do coração dividido
Vigiado de longe pela sentinela

Sumiu pelo meridional inverno
Aonde o frio num homem bate
Algumas das serenas frias noites
Sem ter nas cuias a erva-mate

Sumiu no verão dos ventos fortes
Surpreendente jardim de beleza plena
Levando consigo o cheiro da linda flor
E todo o encanto ao redor de Iracema

Sumiu o que jamais pensei que perderia
Junto àquele pedacinho de floresta verde
Contudo se foram o verde e as sombras
Com a cumplicidade da minha vida em rede

Sumiu com as páginas de alguns contos
Recheadas de histórias reveladoras
O punho que descreve sentimentos
Externando o íntimo de uma escritora

Sumiu tão ligeiramente como surgiu
O encanto que muito me fez sonhar
Foram belos raios solares e brilhantes
Com um dourado límpido de invejar

Sumiu também o som das melodias
Que surgiram em versos caucionados
Por canções soadas desde o planalto
Que deveras me fizeram emocionado

Sumiu desse mundo louco em que vivo
E louco também componho essa elite
Na Itaquera da loucura desse mundo
Deixou saudade, a danada que lá existe

Sumiu na forte correnteza ribeirinha
Toda a teimosia da sábia decisão
Ao buscar união com a velha poesia
Mergulhando fundo a minha imaginação

Sumiu e jamais ouvi compassados
Saltos que caminhavam sobre reflexos
Pelo piso encerado que refletia luzes
Do consumo de um coração perplexo

Sumiu a doce e meiga voz dosada
Que chamava meu nome baixinho
Com alucinação do tanto que ouvi
E do tanto que houve de carinho

E por fim, sumiu pela imensidão
O tempo que faltou para as razões
E olhares pela janela de líquido cristal
Que me invadia o íntimo com visões

Então, sumirei à solitária hibernação
Até que a inspiração me encontre perdido
No meio do vazio de todas as desilusões
Recordando meu passado desmedido

                                        Alexandre Taissum


.