Leiam, reflitam, sonhem, viajem e comentem... Os comentários são importantes para sabermos suas opiniões.

quarta-feira, 2 de janeiro de 2013

PEDRO CASALDÁLIGA - O BISPO DOS VALENTES



Menino lá da Catalunha
Como é ser carne e unha
Da guerra e da paz?
...
Eu sei, meu companheiro
É preciso ser guerrilheiro
Santo ativo nas pastorais

Companheiro da caminhada
Que peitou a fúria armada
Da ditadura militar
Conheço gente sonhadora
Libertária, sim , libertadora
Que admira o teu lutar

Companheiro coração puro
Inimigo de cercas e muros
Que delimitam o poder
Dom Pedro além de poeta
É um lendário vivo profeta
Que Faz a Hora Acontecer

Amigo das águas, das praias
Lá pros rumos do Araguaia
Dom Pedro se faz irmão
Dos camponeses ativistas
Conselheiros Indigenistas
Honrando a santa vocação

Ah, Menino revolucionário
Um inimigo de latifundiário
Ouça o que a Poesia diz
Bem aí na tua Prelazia
Fazes parte da Academia
Dos Guerreiros deste País

Guerrilheiro Araguaíno
Meu Casaldáliga Paladino
Da Justiça, da Paz Social
Bispo do pobre oprimido
Do necessitado, desassistido
Sem terra trabalhador rural

Menino das inquietudes
Que nas santas atitudes
Ousou, e muito, incomodar
Os medalhões graduados
Os porões e fuzis fardados
Da ditadura militar

Bispo do irmão necessitado
Que vive ainda ameaçado
De morte, ou de expulsão
És uma bela alma humana
Com tua sandália havaiana
E Anel de Tucum na Mão

Valente Profeta Divino
Guerrilheiro Araguaino
O Movimento Popular
Saiba que até no Infinito
Pelo teu caminhar bonito
Vai sempre te cantarolar

Casaldáliga, alma divina
Amigo da América Latina
De Chiapas, Revolução
És o Bispo dos valentes
Companheiro de Zé Vicente
O que canta a Libertação.



* Homem simples, com sandálias havaianas nos pés e anel de tucum no dedo, simbolizando o poder episcopal, Pedro, como prefere ser chamado, é apaixonado pela América Latina e pelo rio Araguaia, com quem tem uma relação de cumplicidade nas poesias e nos textos que escreve diariamente. 


** Muito grato à Ana Helena Tavares, a moça do Jornalismo Verdade.
Ela que leu o poema na casa de Dom Pedro Casaldáliga
no dia de uma entrevista histórica.                                 

                                                        Jetro Fagundes

                                                   Farinheiro Marajoara

(via facebook)


.